Seguradoras se movimentam para oferecer proteções a carros elétricos



Nissan Leaf: modelo é aposta antiga da marca no segmento de carros elétricos (Nissan/Divulgação) São Paulo – A onda dos carros 100% elétricos chegou ao Brasil. Pelo menos cinco modelos já são vendidos no país: BMW i3, Jaguar i-Pace, JAC ieV40, Renault Zoe e Nissan Leaf. Nos próximos meses, deve ser lançado o Bolt, da Chevrolet. Por enquanto, todos os carros são importados e custam, em média, 230 mil reais. O mais barato, o Renault Zoe, custa 150 mil reais. O mais caro, o Jaguar i-Pace, 437 mil reais. Por serem valiosos, quem compra um carro 100% elétrico já encontra hoje seguro para os modelos Específico, apenas um: o da Zurich, que começou a ser comercializado no mês passado em conjunto com o de carros híbridos. Veja também SEU DINHEIROO preço dos seguros dos carros mais vendidos no Brasil query_builder 8 ago 2019 – 05h08 Outras seguradoras, por enquanto, aceitam o veículo na mesma categoria dos modelos que unem motor a combustão e elétrico, e analisam a possibilidade de oferecer uma proteção mais segmentada para o nicho. E quanto o proprietário de um carro elétrico paga para ter o carro protegido Por enquanto, bem menos do que em outros países, e até menos do que pagaria em um veículo flex do mesmo porte. Mas isso porque as seguradoras precisam incentivar a adesão para criar volume de dados e, somente então, precificar. Portanto, quem resolver adquirir algum dos modelos agora encontra preços baixos. Panorama Priscilla  Magni, superintendente de automóvel da Zurich, aponta que a experiência da seguradora na Europa, onde o segmento de carros elétricos já está consolidado, foi o gatilho para criar uma proteção específica para os modelos por aqui, um mercado com potencial, na visão da seguradora. Ao lançar a proteção, a Zurich optou por praticar preços 20% menores do que praticaria em veículos a combustão do mesmo porte. Em países como a Inglaterra, por exemplo, os preços dos seguros de carros elétricos chegam a ser de 30% a 40% maiores do que os flex. Mas Priscilla pondera. “Lá fora, algumas marcas de elétricos registram uma alta sinistralidade e acabam distorcendo os dados. Aqui, como são poucos modelos, conseguimos precificar melhor”. Na Mapfre e na Porto Seguro, atualmente os carros 100% elétricos são tratados como modelos híbridos importados. Ou seja, a proteção de ambos tem o mesmo valor. Para Rogerio   Hashimoto, superintendente técnico de automóvel da Mapfre, f alta informação e volume sobre o segmento. “São cerca de mil carros. Portanto, estamos analisando como a proteção para esses modelos deve funcionar”. A seguradora já recebeu consultas sobre o Renault Zoe, e até agora não houve problemas no atendimento. “Foram casos de danos parciais e roubos, nos quais não há diferenciação entre os modelos”. A Porto Seguro estima que terá uma proteção mais segmentada para os elétricos nos primeiros quatro meses do ano que vem. Jaime Soares, diretor da divisão de automóveis, acredita que os preços das proteções devem ficar entre 5% a 10% abaixo dos modelos convencionais, inicialmente. “Os carros ainda não têm atratividade para desmanches ilegais”.  Principais diferenças Um dos problemas de proteções que não são específicas para o nicho são os procedimentos adotados no caso de descarregamento ou pane da bateria. Enquanto a proteção da Zurich leva um carregador de bateria até o local do sinistro, a Mapfre, por exemplo, ainda não sabe como atender esse cliente. “Atualmente, conseguimos oferecer um guincho para deslocar o carro até um ponto mais próximo de recarga. Mas sabemos que o mais cômodo para o cliente seria seguir viagem. Mas temos revendedores no Brasil todo que temos de preparar para oferecer esse atendimento”. A Zurich ainda não tem uma ampla rede especializada, mas aponta que, ao menos nas principais cidades do país, o consumidor encontra ao menos uma oficina com expertise em carros elétricos. A Porto Seguro ainda está na fase de capacitar cerca de 300 centros de sua rede credenciada para que se tornem pontos de recarga. Além de atender o segurado na estrada, o seguro da Zurich oferece um cabo de carregamento opcional para elétricos. “É a única cobertura adicional do modelo. Entendemos que geralmente o proprietário do carro vai realizar o carregamento em casa, e terá bastante autonomia para rodas com a bateria. Mas, em viagens, talvez ele precise carregar outro no carro, se sinta mais confortável”. Além da “pane seca” do elétrico, outro ponto de atenção que deixa todas as seguradoras sem saber direito o que fazer é um eventual problema na bateria que exija a troca do equipamento. “Com o tempo, essa característica pode deixar o preço da franquia um pouco maior”, diz Soares, da Porto Seguro. Para Hashimoto, da Mapfre, no futuro os serviços agregados para esse público, como carro reserva e assistência especializada, vão fazer diferença, e são eles que devem causar uma diferença no preço. Levantamento Na base da Comparaonline, o seguro do BMW i3 elétrico só é aceito pela Sompo e custa 21 mil reais. Segundo análise do comparador, geralmente carros de luxo têm restrições de aceitação nas seguradoras porque são modelos mais visados por criminosos. Já o seguro do Renault Zoe custa, em média, 5 mil reais. Quando se compara um modelo híbrido com um convencional do Fusion, da Ford, o convencional é cerca de 10% mais caro do que o híbrido, em média. O comparador considerou uma proteção para um homem de 30 anos, solteiro, que vive na Vila Nova Conceição, em São Paulo. O seguro simulado cobre 100% da tabela Fipe, 50 mil reais de danos materiais e corporais a terceiros, e 5 mil reais por danos morais, morte e invalidez por passageiro, assistência 24 horas completa, carro reserva e reparo de vidros.  

Fonte: Exame




Comente







Posts Relacionados