Títulos públicos de médio prazo têm melhor rentabilidade em janeiro



Dinheiro: papéis foram impactados, principalmente, pelo cenário externo volátil no primeiro mês do ano (Rmcarvalho/Getty Images) São Paulo – Os títulos públicos que refletem o cenário de médio prazo tiveram os melhores retornos no mês de janeiro. De acordo com relatório da ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) o IRF-M 1+, que traz títulos prefixados com vencimento superior a um ano, e o IMA-B 5, que reflete as NTN-Bs com vencimento até cinco anos, tiveram o melhor desempenho no período, com 1,11% e 0,56%, respectivamente. O IMA-Geral, que espelha a carteira de títulos da dívida pública, encerrou o primeiro mês do ano com rentabilidade de 0,56%. No começo do ano, os papéis foram impactados, principalmente, pelo cenário externo volátil e incertezas por conta dos impactos globais do coronavírus. No Brasil, os efeitos foram a atividade econômica um pouco mais fraca, que resultaram em novo corte da taxa Selic, afirma Hilton Notini, gerente de Preços e Índices da ANBIMA. Veja também SEU DINHEIROO método do bilionário Luiz Barsi para se aposentar investindo só em ações query_builder 11 fev 2020 – 05h02 Os títulos de prazo mais longo, como o IMA-B 5+, que tem carteira composta por NTN-Bs com vencimento acima de cinco anos, foram os que mais sofreram os efeitos da incerteza no cenário internacional. Em janeiro, o preço quase não variou em relação ao mês anterior e apresentou rentabilidade de apenas 0,03%. Os demais subíndices que compõem o IMA-Geral, por terem vencimentos mais curtos, não foram tão impactados pela volatilidade do mercado. O IRF-M 1, que traz títulos prefixados com vencimento de até um ano, teve ganho de 0,44% no mês e o IMA-S, título com menor exposição ao risco por ser pós-fixado, 0,38%. Debêntures A liquidez no mercado secundário de debêntures apresentou pequena melhora em relação ao final do ano passado. Em janeiro, 5,9% dos ativos no mercado secundário, foram considerados líquidos contra 5% em dezembro de 2019. Em relação à performance destes papéis, as debêntures incentivadas indexadas ao IPCA, representadas pelo IDA-IPCA Infraestrutura, apresentaram o melhor resultado em janeiro, com retorno de 1,13%. O IDA-IPCA, que traz na carteira debêntures atreladas a esta taxa, encerrou o mês com 0,99%, enquanto o IDA-Geral teve ganho de 0,69%.

Fonte: Exame




Comente







Posts Relacionados