"Não confio mais no Neon": clientes relatam problemas com contas bloqueadas



(reprodução/Facebook) Leia também: Banco Neon era mira do Banco Central há quase uma década; mas o problema está no ‘fin’, não no ‘tech’ Banco Neon: FGC cobre depósitos de até R$ 250 mil; saiba como resgatar o dinheiro SÃO PAULO – Depois da liquidação extrajudicial do Banco Neon na sexta-feira da semana passada, a Neon Pagamentos já anunciou uma nova parceria com o Banco Votorantim e deve restabelecer seus serviços. Mesmo assim, clientes da ferramenta Objetivos, que investia em CDB com taxa de 100% do CDI, ficarão sem acesso a seus investimentos até que sejam restituídos pelo FGC.  Desempregado, Pedro Eduardo tinha como único investimento a ferramenta Objetivos, e planejava utilizar o dinheiro para ajudar a mãe a pagar contas que vieram mais altas que o normal. “Elas venceram ontem”, conta ele. “Ela teve que pagar o mínimo que deu, gerando juros em cima e quebrando um acordo que ela já havia feito”, lamenta o cliente.  Para piorar, as respostas que recebe da fintech são confusas. “O Neon disse que já havia enviado as informações necessárias ao FGC, para pagamentos e que segundo o FGC, o prazo seria de 15 dias. Porém a reposta que recebi do e-mail do FGC, foi de que não haviam recebido quaisquer informações e que o prazo era de 7 a 10 dias”. Pedro pretende manter parte de seus investimentos no Neon por conta da rentabilidade, “era o que mais estava rendendo, porém desta vez vou dividir o dinheiro em outra conta”, afirma.  No Reclame Aqui, um investidor de Guarulhos relata a pretensão de sacar o valor para uma viagem marcada para 2 de julho deste ano. “Com essa restrição eu e minha família não vamos conseguir viajar ! Já pagamos passagem aérea e hotel ! Agora não sabemos quando o dinheiro será liberado. Quem vai me ressarcir com a diferença”, questiona o cliente.  “Estou a mais de uma semana tentando acessar meu objetivo para resgatá-lo. Está inacessível. Dá uma mensagem de que estão resolvendo, porém o valor de mais de 500,00 está bloqueado”, relata o cliente Cristiano. Ele conta que estava juntando para fazer uma festa de aniversário e diz que pretende procurar um advogado caso não tenha uma resolução até o fim desta semana. “Este dinheiro não é empréstimo, é recurso próprio meu, que eu estou juntando para uma festinha de aniversário e afanar o valor assim é desleal”, lamenta.  A fintech disse a alguns clientes que o FGC já recebeu os dados dos clientes que devem ser ressarcidos. O fundo, todavia, entrou em contato com o InfoMoney para alertar que esta informação não procede e os dados ainda não foram recebidos. Todos os clientes  serão restituídos dentro do prazo estabelecido pela instituição, já que nenhum investidor tinha no banco saldo superior a R$ 250 mil investidos. A instituição estima prazo entre sete e dez dias úteis para a restituição total após o recebimento de todos os dados, e orienta o acompanhamento do status desse caso pelo site https://www.fgc.org.br/garantia-fgc/pagamento-de-garantia/banco-neon.  Outros problemas  Enquanto o Neon não normaliza a situação com a nova parceria, mesmo os clientes da conta corrente comum sentem dificuldades em lidar com o momento de turbulência da fintech. Embora saques e pagamentos via cartão de débito estejam funcionando dentro da normalidade, todas as contas estão bloqueadas para receber ou realizar transferências desde sexta-feira até que a parceria com o Votorantim seja totalmente implantada. Uma cliente diz que o dinheiro de uma compra estornada, mais de R$ 3 mil, simplesmente desapareceu. “Fiz uma compra com o meu cartão virtual na quarta feira dia 02/05, no valor de 3.180,00 na loja virtual da vivara, no dia 03/05 minha compra foi cancelada pela vivara, e desde então o valor não voltou para minha conta”, diz. Como o prazo do estorno terminava justamente no dia 5, quando o Banco Neon foi liquidado, o valor não pôde ser estornado. Agora, o Neon diz que o dinheiro está com a Vivara, enquanto a Vivara alega que já o devolveu à conta digital da cliente. “Só quero meu dinheiro de volta”, desabafa.  Cliente da conta PJ do Neon, uma das poucas sem taxa do mercado, a jornalista Patrícia Figueiredo tem dois pagamentos para receber nos próximos 15 dias, referentes a trabalhos como freelancer. As empresas só têm autorização para pagar esse dinheiro para contas PJ, e a profissional não possui outras contas neste formato.  “Ainda não falei com as empresas porque não chegou a hora de me pagarem, mas comecei um cadastro no Banco Inter [para manter uma conta PJ ativa]. Não confio mais no Neon e preciso de uma conta sem taxas”, diz.   Felipe de Souza Paiva passa por problema semelhante. Ele tentou realizar uma transferência de mais de R$ 5 mil da conta PJ para a conta corrente de outro banco justamente na sexta-feira – e ficou na mão. “A transferência não foi para a conta destino. Entrando en contato foi informado que o valor estaria novamente na conta de origem até o final do dia do próximo dia util (07/05), vulgo ontem. O saldo da minha conta está como R$4,80”, detalha. Ao entrar em contato, teve de escutar que não há prazo para a normalidade do serviço.  Histórico Antes de ser Neon, o Banco liquidado se chamava Banco Pottencial instituição criada em 1994 que mudou de nome em 2016 após joint-venture com a carteira digital Controly, antigo nome da Neon Pagamentos. Sob a primeira alcunha, a empresa já apresentava irregularidades apuradas pela Justiça o deputado estadual João Magalhães responde pelo Inquérito 3.027 no STF por crime contra o sistema financeiro nacional em caso conectado ao banco. Ele seria beneficiário de irregularidades dentro do banco referentes ao “deferimento e condução de operações de crédito em desacordo com os princípios da seletividade, garantia, liquidez e diversificação de riscos e ausência de constituição das provisões exigidas para créditos de liquidação duvidosa e ocultação de créditos bem como adoção de práticas irregulares em operações bancárias (folha 5 a 11 do apenso 1)”, conforme consta em Inquérito. A acusação diz ainda que, em uma conta de titularidade do Deputado, “teria ocorrido depósito em cheque no valor de R$ 860.000,00, prontamente creditado, o que possibilitou a redução do saldo devedor então anotado, embora tenha sido devolvido no dia útil seguinte”, procedimento que não foi repetido com outros clientes do banco. Contatada, a assessoria de imprensa do deputado não respondeu pedidos de comentário da reportagem até o momento da publicação. Em 2010, o Banco Pottencial foi acusado de registrar ativos fictícios no valor de mais de R$ 6 milhões com objetivo de incrementar artificialmente as receitas do banco. Na época, foram processados seis diretores da instituição por gestão fraudulenta e gestão temerária: Argeu de Lima Géo, Carlos Géo Quick, Cássio Dolabella França e Lauro Baptista Machado Júnior. Desde essa época, o Pottencial figura na lista de bancos sob acompanhamento especial pelo BC. O fechamento agora, em 2018, atribuído a deficiência patrimonial, descumprimento de regras de combate à lavagem de dinheiro e irregularidades “graves” com o dinheiro dos correntistas, provavelmente tem relação com um histórico longo.

Fonte: InfoMoney


Comentários

  1. Mari Reyes Ventura disse:

    O problema de bloqueio na conta continua. Tentei pelos canais entretanto o 0800 é um engodo e o app vc não consegue nada pois bloqueiam tudo. Abri a cartão recentemente e no mesmo dia fui usar o cartão físico como débito e de repente bloqueado.
    Uma instituição que não respeita e faz uma tremenda propaganda enganosa. Pior ainda a situação das minhas filhas pois estão com todo o salário retido .
    Acredito ser um caso de polícia, Procon, Bacen , defensoria e pequenas causas.
    NÃO ACREDITEM NESTE NEON
    ELES NAO TE RESPEITAM, BLOQUEIAM A CONTA E SEU DINHEIRO E VC AINDA TEM QUE SE CONFORMAR EM SENTA, CALA A BOCA E CHORA.

  2. Mari Reyes Ventura disse:

    O problema de bloqueio na conta continua. Tentei pelos canais entretanto o 0800 é um engodo e o app vc não consegue nada pois bloqueiam tudo. Abri a cartão recentemente e no mesmo dia fui usar o cartão físico como débito e de repente bloqueado.
    Uma instituição que não respeita e faz uma tremenda propaganda enganosa. Pior ainda a situação das minhas filhas pois estão com todo o salário retido .
    Acredito ser um caso de polícia, Procon, Bacen , defensoria e pequenas causas.
    NÃO ACREDITEM NESTE NEON
    ELES NAO TE RESPEITAM, BLOQUEIAM A CONTA E SEU DINHEIRO E VC AINDA TEM QUE SE CONFORMAR EM SENTA, CALA E CHORA.



Comente







Posts Relacionados