Premiê canadense apoia Macron: ‘Vamos agir pela Amazônia’

23/08/2019 - 9:08 - Redação



O primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau (Win McNamee/Getty Images) O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, declarou, por meio de sua conta oficial do Twitter, que “não poderia concordar mais” com o presidente francês Emannuel Macron, sobre a proposta de debater queimadas na Amazônia durante a próxima cúpula do G7, organização que reúne sete das economias mais avançadas do mundo, a ser realizada neste fim de semana. A despeito das críticas do presidente Jair Bolsonaro e outras autoridades brasileiras à postura de Macron, com reclamações, inclusive, sobre “ameaças à soberania nacional”, Trudeau declarou que os países do G7 devem “agir pela Amazônia” e “agir pelo planeta”. I couldnt agree more, @EmmanuelMacron. We did lots of work to protect the environment at the #G7 last year in Charlevoix, & we need to continue this weekend. We need to #ActForTheAmazon & act for our planet our kids & grandkids are counting on us. https://t.co/KwaR8Eevq5 — Justin Trudeau (@JustinTrudeau) August 23, 2019

“Não poderia concordar mais, Emmanuel Macron. Nós fizemos muito para proteger o meio ambiente na cúpula do G7 do último ano, em Charlevoix, e devemos continuar neste fim de semana. Devemos agir pela Amazônia e agir pelo nosso planeta – nossos filhos e netos estão contando conosco”, escreveu o chefe de Estado canadense. Veja também General Villas Bôas vê ‘ameaça militar’ em falas de Macron sobre Amazônia query_builder 23 ago 2019 – 03h08 BrasilIbama convoca brigadistas federais para combater incêndios em florestas query_builder 23 ago 2019 – 02h08 PolíticaEduardo Bolsonaro compartilha vídeo que chama Macron de ‘idiota’ query_builder 23 ago 2019 – 00h08 Mais cedo, Macron havia escrito: Nossa casa está queimando. Literalmente. A floresta amazônica o pulmão que produz 20% do oxigênio do nosso planeta está queimando. Esta é uma crise internacional. Os membros do G7 discutirão essa emergência de primeira ordem em dois dias!”.  O líder da França não errou ao mencionar a Amazônia como casa também dos franceses. O território ultramarinho Guiana Francesa faz fronteira com o estado do Amapá, no norte do Brasil, e é inegavelmente amazônico. Bolsonaro reagiu também pelas redes sociais. Lamento que o presidente Macron busque instrumentalizar uma questão interna do Brasil e de outros países amazônicos para ganhos políticos pessoais. O tom sensacionalista com que se refere à Amazônia (apelando até para fotos falsas) não contribui em nada para a solução do problema, escreveu em um tuíte. No fim da noite, porém, o presidente brasileiro convocou ministros para buscar soluções sobre as queimadas na Amazônia.

Fonte: Veja





Posts Relacionados




Comente